31 de dez de 2009

[Desenho/Nostalgia] Charlie Chan


Quando eu era pequeno, como já falei uma vez, não gostava muito de assistir a Globo. Achava a programação chata, nem do programa da Xuxa com seus desenhos eu gostava. A única coisa que me prendia lá era a TV Colosso. Essa sim era legal com aqueles cachorros fantoches correndo dum lado pro outro, fazendo baderna, os desenhos, tudo era legal. Os desenhos que eu assistia na TV se restringiam basicamente ao que passavam aí na TV Colosso, aos animes da Manchete e aos educativos da TV Cultura, que por sinal era os que eu mais gostava. A Pedra dos Sonhos, Animais do Bosque dos Vinténs, As Aventuras de Tintim eram desenhos legais que tenho vontade de rever.

Isso perdurou até que assinaram TV a cabo aqui em casa. A NET. Que por sinal aqui em Recife é uma bosta, tem metade dos canais que tem em todo canto e custa o mesmo preço, mas deixa pra lá. Com a NET eu tinha um canal de desenho 24 horas - o único na época -, o Cartoon Network. Pra uma criança acostumada só com aquelas 2 horinhas de manhã, ter um dia inteiro de desenho era um sonho realizado.


Da época que assinaram aqui em casa, acho que o único desenho que ainda passa hoje em dia lá é o Scooby-Doo. Na época passava basicamente os desenhos clássicos da Hanna-Barbera e Tom & Jerry. Eu via até a exaustão. Chegava do colégio de tarde e via até cansar. Os Flinstones, Os Jetsons, Johnny Quest, Tom & Jerry, Scooby-Doo, Manda-Chuva, Corrida Maluca, Os Herculóides e muitos outros. Mas um que eu lembro de ter visto, mas que logo parou de passar, e que por anos eu fiquei na dúvida se realmente tinha visto porque só eu lembrava aqui em casa, era um que tinha uma família com umas 10 crianças que ajudavam o paí a resolver uns mistérios. Só vim matar minha dúvida há alguns anos quando ficou mais fácil achar essas coisas pela internet. Charlie Chan, The Amazing Chan and Chan Clan no original. Esse era o nome do desenho.

Na época que descobri que ele realmente existia só tinha achado umas fotos do desenho, até que hoje dando uma passado pelo blog Desenhos Download, blog onde eu achei outro desenho que depois farei um post, Esquadrão Marte, me deparei com os 16 episódiso desse desenho. Abaixo você encontra os links para baixá-lo também.


Sinopse:

Charlie Chan ("The Amazing Chan and the Chan Clan") foi um desenho produzido pelos estúdios Hanna-Barbera em 1972, com base na série para o cinema "Charlie Chan", das décadas de 30 e 40 (a estrela da série, Keye Luke, faleceu em 1991).

No desenho, o Sr. Chan (cujo primeiro nome nunca é dado, mas é claramente Charlie), seus dez filhos e o seu cão "Chu Chu" resolvem mistérios pelo mundo, com as crianças ajudando seu pai em cada episódio (ou pelo menos tentando).

Os filhos mais velhos também tinham seu próprio grupo musical, "The Clan Chan"; em cada episódio, era apresentada uma canção durante o desenrolar da ação ou com os personagens tocando na banda.
Os cantores do grupo eram os mesmos do desenho "Archie's Show", conduzidos pelo cantor Ron Dante, com supervisão musical de Don Kirshner.
O desenho durou duas temporadas na CBS, em 1972, em um total de 16 episódios.

Informações Técnicas:

Título: Charlie Chan
Título Original: The Amazing Chan and the Chan Clan
Formato: AVI
Qualidade: TV-Rip
Codec: DivX (Episódio 15= h264)
Video: 512 x 384, 29.970 fps (Episódio 15= 320 x 240, 25.000 fps)
Audio: 44.100 Hz, 128 e 192 kbps, Stereo
Duração Média: 19 min
Tamanho Médio: 130 MB
Nº de Episódios: 16
Áudio: Português
Legenda: Não
Ripador: Desconhecido e Pepetodia
Colaborador: leopin NATAL BR, Pepetodia e Pedro Maluco

Usem o Hjsplit para unir os Arquivos.

ScreenShots:



Downloads:

Abertura:
Mediafire / Rapidshare / Megaupload

1ª Temporada


1x01 - The Crown Jewel Caper (O Roubo das Jóias da Coroa)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

1x02 - To Catch A Pitcher (Apuros de um Artilheiro)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

1x03 - Will The Real Charlie Chan Please Stand Up? (O Verdadeiro Chan Queira Levantar-se)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

1x04 - The Phantom Sea Thief (O Ladrão do Mar dos Fantasmas)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

1x05 - Eye Of The Idol (O Olho do Ídolo)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

1x06 - The Fat Lady Caper (O Roubo da Senhora Gorda)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

1x07 - Captain Kidd's Doubloons (Os Dobrões do Capitão Kid)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

1x08 - The Bronze Idol (O Ídolo de Bronze)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

2ª Temporada

2x01 - Double Trouble (Encrenca Dupla)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

2x02 - The Great Illusion Caper (A Grande Ilusão)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

2x03 - The Mummy's Tomb (O Túmulo da Múmia)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02
*(Infelizmente existe uma falha no audio de 2 min do 11º ao 13º min).

2x04 - The Mardi Gras Caper (O Roubo do Carnaval)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

2x05 - The Gypsy Caper (O Roubo Cigano)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

2x06 - The Greek Caper (O Ladrão Grego)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

2x07 - White Elephant (O Elefante Branco)
Mediafire: 01 / Rapidshare: 01 / Megaupload: 01

2x08 - Scotland Yard (O Clan Chan na Scotland Yard)
Mediafire: 01, 02 / Rapidshare: 01, 02 / Megaupload: 01, 02

5 de dez de 2009

Lista de Scans do Dylan Dog

Editora Record

01 - O Despertar dos Mortos Vivos | Colorido
02 - Jack, o Estripador | Colorido
03 - As Noites da Lua Cheia | Colorido
04 - O Fantasma de Anna Never | Colorido
05 - Os Matadores | Colorido
06 - A Beleza do Demônio | Colorido
07 - A Zona do Crepúsculo | Colorido
08 - O Retorno do Monstro | Colorido
09 - Alfa e Ômega | Colorido
10 - Através do Espelho | Colorido
11 - Diabolô, o Grande | Colorido

Edições Especiais

01 - Dylan Dog & Martin Mystère - Última Parada: Pesadelo
02 - Dylan Dog Especial - Incubus

Editora Globo

Edição Especial

01 - Fumetti: O Melhor dos Quadrinhos Italianos

Editora Conrad

01 - Johnny Freak
02 - O Despertar dos Mortos Vivos
03 - Memórias do Invisível
04 - Morgana
05 - O Retorno do Monstro
06 - Depois da Meia-Noite

Editora Mythos

01 - A História de Dylan Dog
02 - Cagliostro!
03 - O Túnel do Terror
04 - Partida com a Morte
05 - O Longo Adeus
06 - Assassino!
07 - Entre a Vida e a Morte
08 - Um dia Maldito
09 - Nas Profundezas
10 - A Ilha Misteriosa
11 - Canal 666
12 - O Castelo do Medo
13 - A Dama de Negro
14 - Visões Mortais
15 - Terror do Infinito
16 - Grand Guinol
17 - Obsessão
18 - Jekill
19 - Aconteceu Amanhã
20 - O Mal
21 - Uma Voz Vindo do Nada
22 - Golconda!
23 - Quando Caem as Estrelas
24 - A Casa Assombrada
25 - Eles Estão Entre Nós
26 - Coelhos Assassinos
27 - O Fio da Navalha
28 - Quando a Cidade Dorme
29 - O Escuro
30 - O Recife dos Fantasmas
31 - Pesadelo de uma Noite de Verão
32 - O Sonho do Tigre
33 - O Senhor do Silêncio
34 - O Hiena
35 - A História de Ninguém
36 - Reflexos de Morte
37 - O Duende
38 - Infernos
39 - Escrito com Sangue
40 - O Mistério do Tâmisa

Edições Especiais

Tex e os Aventureiros - 01 - Dylan Dog - O Horror
Tex e os Aventureiros - 02 - Dylan Dog - A Menina e a Boneca
Tex e os Aventureiros - 03 - Dylan Dog - O Retorno dos Matadores
Tex e os Aventureiros - 04 - Dylan Dog - A Coisa
Tex e os Aventureiros - 05 - Dylan Dog - Vamp
Tex e os Aventureiros - 06 - Dylan Dog e Martin Mystère - O Fim do Mundo

6 de set de 2009

[Tutorial] Fazendo um DVD com Menu Interativo - Parte II

Dando continuidade ao tutorial de como fazer um DVD com Menu Interativo, vamos começar realmente a fazer o DVD.

Passo 2 – Criando o DVD

2.1 – Escolhendo as Configurações do DVD

Continuando com o Tutorial, vamos à construção do DVD em si. Abra o DVD Architect. Quando aberto, você verá uma tela parecida com essa.


Nela podemos ver os diretórios do DVD (1), que vai ser onde teremos as informações sobre o que o nosso DVD contém. Em (2) será onde visualizaremos e organizaremos o que aparecerá na tela do televisor quando o DVD for colocado pra tocar. Em (3) temos várias informações sobre o que tiver selecionado na tela que poderão e serão ajustados no decorrer da construção. Pra finalizar, em (4) temos onde aparecerão as trilhas de vídeo e áudio que tocarão naquela tela.
Conhecendo um pouco mais sobre o programa vamos começar.


Vá em File e clique em New. Vai abrir uma janela que dá as opções de fazer o DVD com menu, sem menu, uma compilação de clipes ou um disco de fotos. Como queremos um DVD com menu escolhemos ela (provavelmente ela já estará escolhida, mas certifique-se). Depois vamos escolher o formato do vídeo (1), se ele vai ser NTSC ou PAL e se vai ser widescreen ou fullscreen. Eu sempre escolho NTSC (720x480), só variando entre widescreen e fullscreen dependendo do filme. Depois, escolha para o áudio o formato AC-3 Stereo e clique em OK.

2.2 – Criando o Menu Principal


Pronto, já podemos começar a fazer o DVD. Como dá pra perceber o meu filme é no formato widescreen (reparem na tela azul mais alongada), mas as instruções servem pra o fullscreen da mesma forma.
Pra começar vamos escolher a imagem de fundo que será utilizada no menu principal. Pra isso pegue uma imagem da internet ou edite uma imagem num editor de imagem como Photoshop, por exemplo. Para filmes em fullscreen recomendo imagens com formato 720x480, já pra widescreen faça com 1440x800 ou menor, mas mantendo essa proporção.
Depois de já ter uma imagem vá em Background Media (1), clique em Vídeo (2) e depois em Replace... (3). Feito isso encontra a imagem que você escolheu e clique em Abrir.


Se a imagem não ficar ajustada feito a minha, clique em Stretch Type, próximo a onde você escolheu a imagem de fundo, e escolha a melhor opção para a sua imagem.
A imagem que eu fiz já tinha o nome do filme, então o texto Menu 1 (1) que já começa na página não vai me servir pra nada, por isso eu vou deletá-lo, porém, se você quiser colocar o nome do filme, basta clicar em cima dele e apertar F2, que o texto é liberado para edição. Escolha o nome que quiser e depois coloque o título na posição desejada.
Feito isso adicionamos o filme clicando na cruz amarela no canto superior esquerdo e depois clicando em Media... (2). Encontre o vídeo que convertemos na Sony Vegas e clique em Abrir.

2.3 – Adicionando o Filme


O filme vai aparecer na tela como uma pequena imagem e um texto abaixo. Temos a opção de escolher entre 3 opções. Só a imagem, só o texto ou deixar ou deixar os dois, que é como já está. Eu particularmente prefiro apenas texto, mas nesse disco eu resolvi colocar uma pequena imagem junto aos nomes que eu escrevi na própria imagem de fundo, então clico no vídeo com o botão direito (1), vou para Button Style (3) e escolha uma das opções, no meu caso, Image Only (4).


Agora que só tem a imagem, vou escolher a imagem que eu quero, portanto clico em cima do vídeo, vou em Media (1) e clico em Thumbnail Media e escolho a imagem que eu previamente editei no Photoshop. Depois disso você verá que a imagem do vídeo foi alterada (3).
Caso você tenha escolhido apenas texto, clique no vídeo e aperte F2 para poder editar o texto.
Aqui vale uma dica na hora de escolher o canto onde colocar as coisas na tela. Nunca coloque nada próximo demais das bordas, porque elas serão “comidas” pelo seu televisor, então sempre que for colocar algo na tela, respeito as linhas que aparecem no meio da tela, o que será comido da imagem é mais ou menos até onde a linha mais externa marca.


Depois de alterada a imagem você pode alterar o tamanho dela. Para isso basta clicar no botão Sizing Tool (1) indicado na figura e arrastar os quadrados que aparecerão ao redor da imagem (2). Feito isso vamos escolher como o botão ficará em destaque quando ele estiver selecionado na TV. Pra isso clique no botão, clique em Highlight (3) e vá em Style (4). Aqui você terá a opção de escolher entre vários estilos.
O primeiro, Rectangle, como o próprio nome diz, cria um retângulo da cor escolhida ao redor do texto/imagem. O segundo Mask Overlay, vai ficar no formato da imagem e/ou do texto que você escolheu. O terceiro e o quarto, Text Rectangle e Image Rectangle são semelhantes ao primeiro, com a diferença de caso você tenha escolhido pro botão ser de texto e imagem ele vai criar o retângulo em volta apenas da opção escolhida. Os 2 a seguir seguem a mesma lógica só que ao invés de retângulos, o destaque vai ficar no formato do tipo escolhido. O penúltimo, Underline, cria um sublinhado abaixo do texto/imagem. E o último, Custom, permite criar um destaque num formato diferente da imagem ou do texto do botão.
Escolha um dos tipos descritos acima. Lembrando que o estilo escolhido só vai valer pra esse botão, se você colocar outro botão na tela, você tem a opção de utilizar um estilo diferente.
Se você quiser ter uma idéia de como ficou o destaque naopção escolhida clique no botão Preview que fica ma barra superior, junto dos botões de abrir, colocar e salvar, só que mais para o centro da tela.

2.4 – Adicionando o Áudio


Agora que customizamos o botão a nossa maneira, vamos arrumar o vídeo direitinho. Dê um clique duplo no botão ou entre no filme a partir do link dele nos diretórios (1). Você irá sair do Menu Principal e irá para o filme. Clique em Track Media (2), e depois em Áudio (3) e escolha o áudio que convertemos no Sony Vegas.


Uma coisa dispensável de se fazer, mas que pode a ser útil caso seu filme tenha mais de uma faixa de áudio, é escolher o idioma do áudio (1). Clique onde está indicado e escolha a que melhor se encaixa.

2.5 – Adicionando Legendas

Vamos agora colocar as legendas e, caso seu filme tenha mais de uma faixa de áudio, colocá-la também. Clique na cruz amarela (2) e selecione Insert Subtitle Track (3). Caso queira adicionar outra faixa de áudio clique em Insert Audio Track e não se esqueça de memorizar a ordem das faixas, será importante mais pra frente.
Antes de escolher a legenda, vamos primeiro converter a legenda para um formato que o DVD Architect reconheça.
Normalmente as legendas encontradas pela internet estão em formato SubRip (*.srt), SubStation Alpha (*.ssa) ou SubbSonic (*.sub), porém o DVD Architect reconhece a MAC DVD Studio Pro (*.txt), por isso vamos ter que converter a legenda e pra isso utilizaremos o programa Subtitle Workshop 4.


Abra o programa, clique em File (1), Open e encontre a legenda. Depois de aberta a legenda basta ressalvar no formato certo, então vá novamente em File, Save As... e na janela que abrir, encontre a parta do nosso projeto (2), dê um nome adequado (3) e escolha o formato MAC DVD Studio Pro (4). Clique em Salvar e pode voltar ao DVD Architect.


Agora que já temos a legenda no formato certo, clique no ícone da pasta (1), e encontre a legenda que você acabou de salvar no Subtitle Workshop.


Quando você coloca a legenda ela aparece com as configurações padrão dela. Cor branca, fonte arial pequena, etc. Eu nos meus DVDs gosto da legenda na cor amarela e grande porque sou meio cegueta. Mas fica a critério de cada um. Vou mostrar aqui como eu altero as minhas.
Primeiro diminua o trecho das trilhas mostradas na tela clicando nos botões de + e – que tem no canto inferior direito (1). Escolha um lugar que tenha uma linha da legenda e clique nele. A imagem do filme vai pra cena desta fala e você poderá visualizá-la. Clique na legenda (2) e altere a fonte (3) e o tamanho dela (4). Se quiser que a legenda fique em negrito aperte o botão B (5). Depois disso, vá em Color Set, Color Set 4, que é a cor definida pras legendas e altere de branco pra cor que você quiser (6). Feito isso, veja onde está esse trecho de legenda nas trilhas e clique com o botão direito do mouse nela e, escolha a opção Apply Formatting To Selected Tracks (7) pra aplicar as configurações escolhidas pras demais legendas.
Como pode ser visto na imagem e vocês vão perceber quando aplicarem a legenda é que quando tem uma quebra de linha, no programa fica uma linha em branco separando as outras duas linhas de texto. Isso é um bug que o DVD Architect tem até a versão 4, pelo menos. Nas mais atuais eu não sei se já consertaram, mas é fácil de resolver. Apenas salve o projeto que estamos fazendo no Architect, feixe ele e depois abra novamente que magicamente essa misteriosa linha em branco vai ter sumido.


Reparem no mesmo trecho, agora com a legenda consertada após ter apenas salvado o projeto, fechado e logo em seguida aberto o projeto novamente.

2.6 – Criando Capítulos


Agora vamos fazer uma coisa que é opcional. Criar Capítulos. Eu digo que é opcional porque apesar de dar um ar mais profissional ao DVD e facilitar na hora de encontrar uma cena, dá um pouco de trabalho.
O que vamos fazer é colocar Marcadores para cada um dos capítulos que quisermos ter no nosso DVD. Para isso basta escolher a partir da trilha de vídeo onde quer começar um capítulo e apertar o botão Insert Scene/Chapter Mark (1) ou simplemente apertar a tecla M. Faça isso para o filme todo, colocando quantos capítulos desejar.
Aproveite que está passando o filem para encontrar trechos onde a legenda esteja em mais do que duas linhas, como a da figura acima (2). Caso encontre, basta diminuir o tamanho da fonte até caber ou simplesmente editar o texto clicando em cima da legenda e apertando F2.
Feito isso, terminamos a parte principal que é colocar o vídeo, as legendas e dividir em capítulos. Se quiser já gravar o DVD é possível, porém ainda farei um menu pra seleção de cenas, seleção de legendas e extras. Caso faça o DVD a partir daqui as legendas, os áudios e os capítulos terão que ser acessados através do controle remoto apenas.

Continua na Parte III...

31 de ago de 2009

[Cinema] Zumbi bom é zumbi vivo... morto-vivo.

“Quando não houver mais espaço no Inferno, os mortos caminharão sobre a Terra.”
Foi com essa tagline que George A. Romero nos brindou com o clássico filme de zumbis “Despertar dos Mortos” (Dawn of the Dead, 1978). Zumbis são temas freqüentes em filmes de terror desde o início do cinema. Se considerarmos zumbi todo morto-vivo, Frankenstein poderia ser considerado um dos primeiros a dar as caras no cinema. Porém, foi a versão de Romero para esses seres, que vivem após morrerem, que se tornou a visão geral.

Que um dia a terra será tomada por zumbis, isso é fato, só não acredita quem não quiser. Mas e se a invasão pudesse ser contida? E melhor ainda, se pudéssemos tornar os zumbis nos sos servos? Não eu não sou maluco por pensar essas coisas, alguém já pensou antes de mim. O roteirista do filme Fido.


Uma nuvem radioativa invade os céus da Terra e provoca a volta daqueles que já haviam morrido. Têm-se início assim as Guerras Zumbis, onde a população terrestre luta contra os zumbis que estavam se levantando, porém com um agravante, quem morre do lado “vivo”, volta para somar às fileiras dos “morto-vivos”.

Felizmente, o Dr. Ryan Hold Geiger e sua empresa a Zomcon descobrem que para matar eficientemente um zumbi, basta destruir seu cérebro. Com isso a guerra pôde ser vencida, e para garantir a segurança, as cidades foram circundadas por cercas e muros que mantinham os zumbis restantes fora da zona urbana. Porém, ainda havia um problema. Quem morria dentro do perímetro protegido logo virava zumbi também. Foi então que a Zomcon desenvolveu o “Colar de Domesticação”, colar este que quando colocado no pescoço de um zumbi omiti seus instintos naturais e os torna calmos e subservientes. Com isso os zumbis puderam ser integrados à sociedade, realizando serviços domésticos e outros como de limpeza, jornaleiro, leiteiro, etc...


É nesse mundo que vive Timmy Robinson (K'Sun Ray) de 11 anos e seus pais, Helen Robinson (Carrie-Anne Moss) e Bill Robinson (Dylan Baker). Eles são uma típica família de classe média americana morando num típico subúrbio dos anos 50. As coisas começam a mudar quando se muda para a casa vizinha um alto funcionário da Zomcon. Os Robinson são a única família da rua sem um zumbi doméstico, e pra não ficar pra trás e ser alvo de falação por parte dos novos vizinhos, Helen adquiri um, mesmo a revelia de Bill.

Fido (Billy Connolly). É este o nome que o zumbi recebe do pequeno Tommy.

Com a chegada do zumbi também chegam alguns problemas. Certo dia, passeando pela praça, Tommy joga uma bola de beisebol para Fido pegar que cai aos pés da vizinha velha chata, Sra. Henderson (Mary Black). Esta, assustada com a chegada repentina do zumbi, começa a espancá-lo com o andador, desativando sem querer o colar de Fido. Sem o colar os instintos de Fido vêm à tona e a Sra. Henderson é estraçalhada. Tommy pra não ser culpado e acabar sendo jogado pra fora da cerca (pena comum para quase todo tipo de delito) apenas foge e não conta nada a ninguém, o que acaba se mostrando uma péssima idéia, pois a coisa acaba saindo um pouco de controle e cada vez mais zumbis aparecem.

Porém, enquanto as suspeitas não recaem sobre Tommy sua vida segue normal com seu primeiro amigo. Seguem até melhor para Fido, uma vez que Bill é um pai e um marido ausente, e Helen acaba se apegando a ele também. Mas não por muito tempo, pois em breve Tommy terá que pedir ajuda ao seu vizinho, Sr. Theopolis (Tim Blake Nelson) e a sua “namorada” zumbi, Tammy (Sonja Bennett), para salvar Fido.


Fido é uma divertida comédia de humor negro que foge do habitual e se mostra bastante interessante. Não é algo para se dar gargalhadas como num besteirol, mas dá pra se divertir com a relação do garotinho com seu amigo zumbi e o mundo maluco em que eles vivem.

29 de ago de 2009

[Tutorial] Fazendo um DVD com Menu Interativo - Parte I

Aproveitando que eu ia fazer o DVD de um filme que eu tava querendo ver, e que minha namorada pediu pra eu fazer um tutorial pra ela mesmo fazer os DVD dela, vou postá-lo aqui.
Não sei se essa é a maneira mais fácil, ou a mais complicada de se fazer um DVD, só sei que é a maneira que eu aprendi a fazer e que vem dando certo até agora. Algumas coisas podem ser mais bem ajustadas e outras são feitas não por uma razão lógica, mas sim por tentativa e erro. Dito isso, vamos ao tutorial.

Pra fazer o DVD vamos utilizar os seguintes programas:

GoldWave 5.22 – Programa onde extrairemos o áudio do filme caso o Vegas não reconheça.
Photoshop CS2 – Utilizaremos apenas para fazer as imagens dos menus. Pode ser qualquer outro programa de edição de imagem ou apenas as imagens caso não queira fazer edição alguma.
Sony DVD Architect 4.0 – Programa onde o DVD realmente será feito.
Sony Vegas 7.0 – Programa onde converteremos o vídeo e o áudio do filme no formato ideal para DVD.
Subtitle Workshop 4 – Programa onde editaremos a legenda e converteremos para o formato do DVD.

Passo 1 – Convertendo o filme

1.1 – Abrindo o Sony Vegas

O primeiro passo é criar uma pasta onde colocaremos todos os arquivos. Feito isso abra o Sony Vegas 7.0.


Quando abrir o Sony Vegas você verá uma tela parecida com essa. Em (1) aparecem os diretórios do seu computador. É aí que encontraremos o arquivo do filme e arrastaremos para (2), onde aparecerão as trilhas de vídeo e áudio. Em (3) podemos pré-visualizar o vídeo.


Depois de ter arrastado o filme de (1) para o local indicado ele deverá aparecer assim. Uma faixa de vídeo e uma faixa de áudio. No meu caso o filme também tinha uma faixa com os comentários do diretor, então ele também apareceu. Para não misturar os dois áudios na hora de converter clique em Mute (2) na faixa que você não quer converter logo.
Geralmente, os filmes só vêm com uma faixa de áudio, então provavelmente você não terá que se preocupar com isso.

1.2 – Extraindo e carregando o áudio do filme

Algumas vezes quando arrasto o filme o áudio não vai junto, não sei bem o motivo, acredito que deva ser algum problema com codecs. Mas caso ocorra isso com você, proceda como descrito abaixo. Caso contrário pode pular pra 1.3.

Para extrair o áudio utilizaremos o programa GoldWave. Abra-o e você verá uma tela parecida com essa.


Clique em File e depois em Open para abrir o áudio do filme.
Escolha o arquivo do filme (1) e depois clique em Abrir (2).


Depois que o vídeo carregar clique em File e depois em Save As... Escolha a pasta que você criou para colocar os arquivos do projeto (1), dê um nome pro arquivo (2), escolha a opção Wave e clique em Salvar.
Assim que terminar feche o GoldWave e volte para o Vegas e arraste o áudio que você salvou para junto do filme.

1.3 – Renderizando vídeo e áudio.


De volta ao Vegas, dê um clique duplo na região cinza (1) logo abaixo das trilhas. Feito isso ela vai selecionar todo o filme. Agora, vá em File e clique em Render As... (2).


A tela vai ficar com a daqui de cima.
Nela, você vai escolher a pasta onde estamos fazendo o projeto (1) e dar um nome para o arquivo (2).
Primeiro vamos renderizar o vídeo, então escolha MainConcept MPEG-2 (3).
Feito isso clique em Custom... para podermos configurar a renderização do vídeo.


Primeiro mude o Vídeo rendering quality para Best (1), depois clique na aba Vídeo (2).


Na aba Vídeo várias coisas eu altero empiricamente, sem saber bem o que elas fazem, então faça apenas se quiser, mas comigo dá uma qualidade melhor.
Primeiro escolha o Frame Rate do vídeo (1). Caso não saiba, ele pode ser visto na tela principal do Vegas quando você clica em cima do arquivo do filme antes de arrastar. Depois escolha o Aspect Ratio (3), 4:3 se for Fullscreen e 16:9 se for Widescreen.
O Profile (3) e o Level (4) eu altero como a imagem por achar que melhora a imagem, mas não vai interferir no funcionamento do render. Então clique só se quiser, mas eu recomendo.
Se você quiser ter uma qualidade de vídeo melhor eu recomendo que marque Two-pass (6), porém a renderização vai levar o dobro do tempo.
Depois de tudo isso clique em OK (5) e depois em Salvar.
A renderização vai variar de computado para computador. Aqui costuma demorar quase o mesmo tempo do filme se não utilizar o two-pass.


Agora vamos renderizar o(s) áudios. O esquema é basicamente o mesmo da renderização do vídeo.
Escolha a pasta do projeto (1) e o nome do arquivo (2).
Como formato escolha Dolby Digital AC-3 (3). Como template utilize o Stereo DVD (4). Feito isso clique em Salvar (5).

Quando terminar a renderizaçâo, se tiver outras faixas de áudio para renderizar desative o mute da faixa e ative a da que não vai ser renderizada e repita o procedimento. Quando acabar todas feche o Vegas e abra o DVD Architect.

Continua na Parte II...

28 de ago de 2009

[Cinema] A Teoria Universal dos Filmes

Uma das coisas que eu e minha namorada mais gostamos de fazer quando estamos juntos é assistir filmes. Ela gosta mais dos clássicos, e das comédias românticas; já eu, gosto mais dos filmes de terror (quanto mais esquisito melhor) e das comédias clássicas da “Sessão da Tarde”, que não é mais apenas um bloco de filmes e sim um verdadeiro gênero.

Certa vez estávamos tentando descobrir o que ver, o que geralmente leva um certo tempo porque ambos somos indecisos nisso. Mas, dessa vez ela estava querendo ver um filme que, nas palavras dela: “Tem um cara, que conhece uma garota. Eles tem um monte de problemas, mas no final dá tudo certo”. Pensei um pouco e foi nesse ponto que surgiu a teoria universal dos filmes que desenvolvemos. Todos os filmes tem esse enredo, desde filmes de arte marciais, passando por comédias românticas até chegarmos aos filmes de terror. Todos se encaixam nesse perfil.

Estão duvidando? Me chamando de louco?! Pois bem, prestem atenção e vejam como de louca essa teoria não tem nada.

Vale lembrar que durante o texto serão dado alguns spoilers sobre o final deles, então se você ainda não viu algum desses filmes e não quer saber como eles terminam recomendo não prosseguir. Dado o aviso...

Uma Linda Mulher (1990)


Uma das comédias românticas mais clássicas e que catapultou Julia Roberts ao estrelato. Essa daqui é óbvia.
Tem um cara: Edward Lewis (Richard Gere)
Que conhece uma garota: Vivian Ward (Julia Roberts)
Eles tem um monte de problemas: Ele é um milionário e ela uma garota de programa o que torna o romance deles perante a sociedade não muito aceitável.
Mas no final dá tudo certo: Como quase toda comédia romântica eles superam seus problemas e acabam juntos.

Esse não teve nem graça. Comédias românticas são sempre iguais, só mudam o tema, o lugar e os personagens, de resto é igual.

Casablanca (1942)


Quem nunca ouviu falar de Casablanca? Um clássico! Pode até não ter visto, mas já ouviu falar, e se não viu está perdendo tempo, porque não é a toa que é considerado um dos melhores filmes já feito.

Tem um cara: Richard Blane (Humphrey Bogart);
Que conhece uma garota: llsa Lund Laszlo (Ingrid Bergman)
Eles tem um monte de problemas: Ele não podem ficar juntos porque ela está com outro e porque ela ta fugindo pra América correndo dos nazistas.
Mas no final dá tudo certo: Ela consegue fugir e ir pra América e ele continua vivo mesmo tendo ajudado dois procurados a fugir dos nazistas.

Pode não ter sido o final ideal pros dois, mas que deu tudo certo deu.

Sexta-Feira 13 (Qualquer um deles)


Pra terminar e provar que a teoria é universal e não aplicável só a dramas e comédias românticas nada melhor do que um terror cheio de sangue e mortes.

Tem um cara: Jason (no primeiro filme “o cara” seria a mãe dele, já que o Jason não aparece)
Que conhece uma garota: Qualquer uma das principais que é perseguida exaustivamente durante o filme todo e que no final acha que conseguiu matar ele, mas que no final das contas fez um serviço porco já que sempre tem uma continuação.
Eles tem um monte de problemas: Bem, o Jason tenta matar ela. Sem falar que ele mata todos os amigos dela.
Mas no final dá tudo certo: Ela sobrevive. Não sem um trauma pro resto da vida, mas sobrevive. E ele magicamente sempre volta no próximo filme, então deu tudo certo também.

9 de jul de 2009

[Literatura/Música] O Rei do Pop e do Cordel


Hoje dei uma passada na Feneart, a Feira Nacional de Negócios do Artesanato, que está na sua 10ª edição aqui em Recife. Dei uma olhada nos artesanatos, vi um monte de coisa bacana que se eu tivesse grana eu até compraria, comprei um camiseta bem bacana, mas o que mais me chamou atenção foi o que vi no estande que vendia Literatura de Cordel. Cordel sobre a morte de Michael Jackson.

Povo não esperou nem o cara ser enterrado e já tá lucrando em cima, mas é assim mesmo. Como o cordel era só R$ 1,50 comprei só pra matar a curiosidade. O cordel é de autoria de Marcelo Soares e segue abaixo.

Mega-astro Michael Jackson
Rei do Pop Mundial
quinta-feira, 25
de junho, dia fatal!
morre aos 50 anos
após ter feito mil planos
de uma volta triunfal

Às 14:26
da tarde de quinta-feira
Michael Jackson passou mal
com dor no peito e tonteira
e começou a chorar
quem sabe, vendo chegar
sua hora derradeira

Michael Jackson completou
cinquent'anos em agosto
de 2008, e
anunciou com desgosto
o total adiamento
dos shows em agendamento
em Londres, a contragosto

O adiamento de shows
e de apresentações
marcados pro mês de maio
causou especulações
de que Michael tinha tédio
e que tomava remédio
para tratar lesões

Michael Jackson que nascera
a 29 de agosto
de 58, logo
mostrou-se muito disposto
a ser menino-prodígio
amealhando prestígio,
provando da fama o gosto

O sétimo de 9 irmãos,
Michael Jackson se tornou
destaque no Jackson 5
e quando o grupo estourou
no cenário musical
Michael já sensacional
um álbum solo gravou

E até 2001
mais 8 álbuns gravou
"Off the Wall" (79)
Quincy Jones comandou
já ídolo da multidão
Michael Jackson desde então
uma lenda se tornou

O álbum "Thriller" (82)
foi um sucesso profundo
por 37 semanas
nas paradas pelo mundo
60 milhões de cópias
próprias e até impróprias
foram vendidas, no fundo

No total, segundo cifras,
lá nos Estados Unidos
quase um bilhão de discos
no mundo, foram vendidos
e segundo reportagens
estes recordes de vendagens
jamais serão atingidos

Em 94, Jackson
admirado, querido
casa-se com Lisa Marie
que, separada do marido
hoje uito lamentou
e a morte dele a deixou
com o "coração partido"

E no mesmo ano com
Debbie Marie se casou
o casal teve dois filhos
mas logo se separou
sem palavras nem assuntos
pois nunca moraram juntos
quem sabe o que passou?

Jackson foi pai de 3 filhos
que para ele eram mel
o terceiro até foi vítima
de brincadeira cruel
em deseperada hora
Michael quase o jogou fora
da sacada do hotel

Polêmicas e escândalos
toda hora, todo dia
até que em 2005
O Rei do pop seria
envestigado e detido
após, foi absolvido
do crime de pedofilia

Sua fisionomia
mudara completamente
desde quando conhecido
ficara mundialmente
fez outra operaçãozinha
para ficar com a covinha
do queixo mais saliente

Sobre a mudança de cor
da pele, explicou então:
"Eu tenho orgulho em ser negro"
"Não quero ser brnaco, não"
e disse após a pausa:
"O vitiligo é que causa
a despigmentação"

Michael Jackson no Brasil
esteve em 93
no Estádio Morumbi
e naquele show que fez
decepcionou muito fã
que queria com afã
vê-lo em palco outra vez

Anos mais tarde, o cantor
retornou ao Brasil
foi ao morro Dona Marta
sob miras de fuzil
e naquela ocasião
pagou pra ter proteção
não se sabe quantos mil

No Pelourinho, Salvador
baianos do Olodum
o trataram como nunca
trataram astro nenhum
Michael jackson na Bahia
satisfeito agradecia
e rebolava o bumbum

Nos anos 90, com
dois casamentos falidos
disputas judiciais
e fracassos repetidos
Michael sentiu-se afundando
pouco a pouco declinando
vivendo sonhos perdidos...

Saúde debilitada
opiniões divididas
foi para umas da pro-
priedades conhecidas:
O seu Rancho Neverland
numa tentativa vã
de lá encontrar saídas

Mas é acusado de
abusar sexualmente
de um daqueles meninos
de 13 anos somente
e complicado se viu
quando a policia invadiu
Neverland, de repente

Seus amigos pessoais
estavam todos aflitos
sabiam que ele passava
por problemas e conflitos
um deles insinuou:
"Michael abusou e usou
medicamentos prescritos!"

Uma multidão crescente
depressa se concentrou
na porta do hospital
em que Michael Jackson expirou,
lamentando a triste sina
e a morte repentina
do astro que Deus levou

Michael jackson foi cantor
Além de bom dançarino
Rei do pop mundial
Como manda o figurino
É desses seres humanos:
Libertos, dóceis, profanos
Ou, quem sabe, deus -menino.

Aproveitando, mais um da série "Um dia ainda terei dinheiro vadio pra gastar com o que eu quiser".

8 de jul de 2009

[Curiosidades/Quadrinhos] Morte, a irmã do Sonho


Esta semana terminei de ler “Despertar” (Conrad, 2008), o último volume dos encadernados de Sandman que a Conrad lançou por aqui, e é uma pena que acabou, porque é um dos melhores quadrinhos que eu já li.

Sandman junto com Monstro do Pântano foram os principais responsáveis por fazer da então recém criada linha adulta de quadrinhos da DC Comics, o selo Vertigo, o sucesso e sinônimo de qualidade que ele mantém até hoje.

Com Sandman, o genial Neil Gaiman pegou um personagem secundário, antigo e há muito esquecido da DC Comics, que se utilizava de gás para adormecer seus inimigos, e o transformou num mito, no Senhor do Sonhar.

Morpheus, Sandman, Oneiros, Oniromante, Lorde Moldador ou simplesmente Sonho é um dos Perpétuos, entidades que existem desde a aurora dos tempos e que personificam vários aspectos do universo. Os Perpétuos são uma família, sete irmãos ao todo, cada um com seu próprio reino e domínios.


Dentre os Perpétuos Destino é o mais velho. Entre os homens da família temos ainda Destruição, Sonho e Desejo, que muitas vezes pode ser ela também, não tendo um gênero definido. Já na ala das mulheres temos a caçula Delírio, Desespero, gêmea de Desejo e por fim, a preferida entre 9 em 10 leitores de Sandman, a irmã preferida de Lorde Morpheus, a Morte.

Morte diferentemente do estereótipo visual comum que temos dela, de uma caveira vestindo uma capa preta e portando uma foice, em Sandman, é uma bela garota com uma estética gótica que cai muito bem com o fato dela ser a Morte. Porém, o gótico fica só na estética, já que ela é alegre, bem-humorada, casual, descontraída...

Apesar de ter o nome Morte, cada mortal encontra a irmã mais velha de Sonho duas vezes. Uma quando nasce e outra quando morre. Morte, que pra mim é uma personagem muito mais carismática que Sonho, a cada 100 anos prova um pouco do que é ser mortal passando um dia dentre nós com o intuito de aprender mais sobre as vidas que tem que tomar. Uma dessas visitas da morte é mostrada num dos especiais que ela ganhou, Morte – O preço da vida, que foi lançado primeiramente pela Editora Abril e mais recentemente num encadernado de luxo, contendo os dois especiais, pela Editora Conrad.


Confesso que acho a Morte, de Neil Gaiman, bem gatinha, e que se ela for realmente desse jeito quando vier a encontrá-la não acharei tão ruim quanto seria se fosse a velha caveira de sempre, mas convenhamos que ter um encontro com ela não é algo muito saudável. Pensando nisso vamos ver a probabilidade de você conseguir ter um encontro com ela na listinha abaixo que eu achei no ótimo Nerds Somos Nozes.

*Contato com serpentes venenosas: 1 entre 1.874.034
*Contato com aranhas venenosas: 1 entre 468.508
*Acidente com fogos artificiais: 1 entre 340.733
*Mordido ou picado por insetos não venenosos: 1 entre 312.339
*Acidente de trem: 1 entre 156.169
*Inundação: 1 entre 144.156
*Terremoto: 1 entre 117.127
*Mordido ou ferido por um cão: 1 entre 117.127
*Acidente de ônibus: 1 entre 104.113
*Um raio: 1 entre 79.746
*Picada de abelhas: 1 entre 56.789
*Exposição a excessivo calor natural: 1 entre 13.729
*Afogamento acidental na banheira: 1 entre 11.289
*Intoxicação por Álcool: 1 entre 10.048
*Eletrocutado acidentalmente: 1 entre 9.968
*Asfixia ou afogamento acidental na cama: 1 entre 7.541
*Afogamento acidental em uma piscina: 1 entre 7.278
*Exposição a excessivo frio natural: 1 entre 6.045
*Disparo acidental por arma de fogo: 1 entre 5.134
*Acidente aéreo ou espacial: 1 entre 5.051
*Acidente de bicicleta: 1 entre 4.919
*Por cair de uma cama, cadeira ou outro móvel: 1 entre 4.473
*Obstrução do trato respiratório ao ingerir comida: 1 entre 4.284
*Ao cair de uma escadas: 1 entre 2.360
*Em um incêndio em um edifício: 1 entre 1.358
*Complicações médicas depois de uma operação: 1 entre 1.313
*Fogo ou fumaça: 1 entre 1.113
*Acidente de moto: 1 entre 1.020
*Afogado: 1 entre 1.008
*Acidente de pedestre: 1 entre 626
*Entropecentes e alucinógenos: 1 entre 406
*Assalto com arma de fogo: 1 entre 314
*Acidente de carro: 1 entre 237
*Queda: 1 entre 218
*Suicídio: 1 entre 119
*Acidente com qualquer tipo de veículo a motor: 1 entre 84
*Embolia: 1 entre 24
*Câncer: 1 entre 7
*Ataque do coração: 1 entre 5
*Por qualquer causa: 1 entre 1

PS: Da série "Um dia ainda terei dinheiro vadio pra gastar com o que eu quiser". Ah se eu tivesse 270 dólares sobrando...









3 de jul de 2009

[Música] As 100 Maiores do Hard Rock

Listas são sempre coisas que geram confusão. Principalmente quando se mexe com música ou futebol. Ambos são movidas em geral pela paixão então sempre existirá confusão. Com relação a lista abaixo criada pelo canal VH1 concordo com algumas, não conhecia outras e senti falta de algumas.

Então vamos ao rock na veia (ou seria na "véia" já que agora nenhum dos dois tem acento?")...

100 - Sammy Hagar - "I Can't Drive 55"
99 - Grand Funk Railroad - "We're An American Bandy"
98 - Buckcherry - "Lit Up"
97 - The Edgar Winter Group - "Frankenstein"
96 - Kansas - "Carry On Wayward Son"
95 - Creed - "Higher"
94 - The Darkness - "I Believe In A Thing Called Love"
93 - Autograph - "Turn Up The Radio"
92 - Night Ranger - "Don't Tell Me You Love Me"
91 - Smashing Pumpkins - "Bullet With Butterfly Wings"
90 - Jethro Tull - "Aqualung"
89 - Andrew W.K. - "Party Hard"
88 - Alice In Chains - "Would?"
87 - Winger - "Seventeen"
86 - Marilyn Manson - "The Beautiful People"
85 - Velvet Revolver - "Slither"
84 - W.A.S.P. - "I Wanna Be Somebody"
83 - Evanescence - "Bring Me To Life"
82 - Rainbow - "Since You Been Gone"
81 - Black Sabbath - "Heaven And Hell"
80 - Journey - "Any Way You Want It"
79 - Billy Idol - "Rebel Yell"
78 - Bad Company - "Feel Like Making Love"
77 - Soundgarden - "Black Hole Sun"
76 - Lita Ford - "Kiss Me Deadly"
75 - The White Stripes - "Seven Nation Army"
74 - The Cult - "Love Removal Machine"
73 - Thin Lizzy - "Jailbreak"
72 - Pat Benetar - "Heartbreaker"
71 - Jane's Addiction - "Mountain Song"
70 - Foreigner - "Hot Blooded"
69 - Living Colour - "Cult Of Personality"
68 - White Zombie - "More Human Than Human"
67 - ZZ Top - "Tush"
66 - Europe - "The Final Countdown"
65 - MC5 - "Kick Out the Jams"
64 - Rollins Band - "Liar"
63 - Survivor - "Eye Of The Tiger"
62 - Dokken - "Breaking The Chains"
61 - Ratt - "Round And Round"
60 - Skid Row - "18 And Life"
59 - Billy Squier - "The Stroke"
58 - Stone Temple Pilots - "Interstate Love Song"
57 - The Kinks - "You Really Got Me"
56 - Warrant - "Cherry Pie"
55 - Blue Oyster Cult - "Don't Fear The Reaper"
54 - Faith No More - "Epic"
53 - Steppenwolf - "Born To Be Wild"
52 - The Runaways - "Cherry Bomb"
51 - Megadeth - "Peace Sells"
50 - Red Hot Chili Peppers - "Give It Away"
49 - The Stooges - "Search And Destroy"
48 - Korn - "Freak On A Leash"
47 - Kid Rock - "Bawitdaba"
46 - Anthrax - "Madhouse"
45 - Foghat - "Slow Ride"
44 - Cream - "Sunshine Of Your Love"
43 - Dio - "Holy Diver"
42 - The Clash - "Should I Stay Or Should I Go"
41 - Quiet Riot - "Cum On Feel The Noize"
40 - Poison - "Talk Dirty To Me"
39 - Boston - "More Than A Feeling"
38 - Queen - "Stone Cold Crazy"
37 - The Who - "My Generation"
36 - Van Halen - "Hot For Teacher"
35 - Alice Cooper - "School's Out"
34 - Heart - "Barracuda"
33 - Green Day - "Basket Case"
32 - Ted Nugent - "Cat Scratch Fever"
31 - AC/DC - "Dirty Deeds Done Dirt Cheap"
30 - Pearl Jam - "Even Flow"
29 - Joan Jett - "Bad Reputation"
28 - Foo Fighters - "Everlong"
27 - Whitesnake - "Still Of The Night"
26 - Lynyrd Skynyrd - "Free Bird"
25 - The Ramones - "Blitzkrieg Bop"
24 - Iron Butterfly - "In-A-Gadda-Da-Vida"
23 - Ozzy Osbourne - "Crazy Train"
22 - Jimi Hendrix Experience - "Hey Joe"
21 - Led Zeppelin - "Kashmir"
20 - Bon Jovi - "You Give Love A Bad Name"
19 - Rush - "Tom Sawyer"
18 - Scorpions - "Rock You Like A Hurricane"
17 - Twisted Sister - "I Wanna Rock"
16 - Kiss - "Rock And Roll All Nite"
15 - Motley Crue - "Dr. Feelgood"
14 - Iron Maiden - "Run To The Hills"
13 - Def Leppard - "Photograph"
12 - Judas Priest - "Breaking The Law"
11 - Deep Purple - "Smoke On The Water"
10 - Motorhead - "Ace Of Spades"
09 - Van Halen - "Runnin With The Devil"
08 - Aerosmith - "Walk This Way"
07 - Nirvana - "Smells Like Teen Spirit"
06 - The Who - "Won't Get Fooled Again"
05 - Metallica - "Enter Sandman"
04 - Black Sabbath - "Paranoid"
03 - Led Zeppelin - "Whole Lotta Love"
02 - AC/DC - "Back In Black"
01 - Guns N' Roses - "Welcome To The Jungle"

[Cinema/Nostalgia] Pague para Entrar, Reze para Sair


Eu até hoje fui 3 vezes a parques de diversão. Duas no antigo Playcenter e uma no que ficou no lugar dele o Mirabilândia. A primeira vez eu estava na casa de um amigo meu no dia em que ele foi, e acabei indo junto, a segunda foi na época em que eu fazia natação e fui de penetra junto com a colônia de férias que a academia fazia todo meio de ano e a terceira fui com minha namorada. Mas a que me marcou mais foi a primeira, apesar de todas terem sido especiais. Não por ter sido a primeira, também por isso, mas principalmente porque foi na época em que estavam tendo as Noites de Terror do Playcenter.

Acredito que foi nesse dia que eu comecei a gostar de filmes de terror.

O curioso é que quase não me lembro bem dos brinquedos que fui. Lembro que fui na montanha russa que na época pra mim era de virar o estômago e dar tremedeira nas pernas só de encarar, mas que hoje, uns 15 anos depois, parece brincadeira de criança. Com certeza fui em outros, mas o que eu realmente lembro é de como estava o parque naquele dia.

Quando chegamos ainda não tinha anoitecido, então o parque estava normal. Porém, por volta das 6 horas da tarde, depois do Sol já ter se posto, todas as luzes se apagaram. Dos alto-falantes veio o aviso de que os monstros estavam soltos pelo parque. Logo depois as luzes voltaram a acender e pura diversão. Eu devia ter entre 8 e 10 anos na época, morria de medo desse tipo de coisa então foi legal.

Jason, Drácula, Lobisomem, Freddy Krueger (que por sinal eu descobri depois que era namorado da empregada desse meu amigo), e toda essa variedade de criaturas que nos dão medo infestavam o parque. Correndo atrás das pessoas, ando sustos nelas, inclusive num conhecido meu que, já perto da hora de ir embora, descansava deitado numa barraca que vendia alguma coisa e não se apercebeu que tinha um dos monstros dentro dela.


Talvez seja por isso que um dos filmes de terror que eu mais gosto seja exatamente um que se passa num parque de diversão, mesmo ele sendo apenas um filme mediano. The Funhouse, que aqui no Brasil ganhou o genial nome Pague para entrar, Reze para sair.

Assisti ele pela primeira vez não lembro se na Globo ou se no SBT, só sei que era madrugada e que não peguei desde o começo. Depois dessa vez só vim ver de novo quando descobri um site chamado “Mina do Inferno”, que hoje em dia nem existe mais. Nele tinha várias filmes de terror a venda, dentre eles Pague para Entrar, Reze para Sair. Não pensei duas vezes, desembolsei 20 reais e comprei a cópia VHS do filme. Não sei se foi culpa do cara que me vendeu ou se dos Correios que ficou em greve na época (coisa que sempre acontece comigo quando espero alguma encomenda), só sei que a fita chegou mofada e com exatamente o começo que eu nunca tinha visto com problema. Só vim ver o filme todo alguns anos depois quando graças a internet consegui baixá-lo e ver integralmente.


Nele quatro adolescentes vão ao parque de diversões que havia chegado à cidade cuja fama não era muito boa. Havia boatos de que duas meninas teriam sido encontradas mortas nele.

No parque eles vão a várias atrações como um show de mágica, uma tenda de aberrações, carrossel, etc., até que um deles sugere que passem a noite na Funhouse, a casa de horrores do parque. Os outros três ficam meio relutantes, mas diante da genial argumentação que um primo teria feito isso em outro lugar e teria dado tudo certo eles resolvem ficar. Porém, como sempre a idéia não é boa, principalmente depois que eles vêem o “Frankenstein” do parque cometer um assassinato.


O filme dirigido por Tobe Hopper, que parece ter gastado todo o talento em Massacre da Serra Elétrica e na direção duvidosa de Poltergeinst, conta uma história simples, sem muitas inovações, mas que cumpre seu papel. Dá medo. Principalmente por mostrar um lado que pouco paramos pra pensar dum parque de diversões, o apagar das luzes. Tanto que, nesse época de preguiça criativa dos estúdios americanos, vai ganhar um remake. Só espero que não seja aos moldes de Dia dos Namorados Macabros, que tirando o 3D não se sustenta, porque se for, prefiro ficar com o original.

27 de jun de 2009

[Séries] How I Met Freaks and Geeks


Há uns 2 meses atrás, mais ou menos na época em que eu escrevi o post sobre o Incrível Homem que Derreteu, estava procurando alguns filmes da sessão da tarde pra baixar e matar a saudade. Nessa procura acabei entrando no site Filmes com Legenda e encontrei uma grande quantidade deles. Filmes como: Férias Frustradas, Um Dia a Casa Cai, Sem Licença Para Dirigir, Clube dos Cinco e muitos outros. Mas o que acabou me chamando a atenção não foi um filme, e sim uma série que encontrei por lá. Freaks and Geeks.

Nunca tinha visto nenhum episódio da série, mas tinha certeza de já ter ouvido falar e tinha uma vaga lembrança de não ter baixado antes por achar que uma série sobre pessoas estranhas não deveria ser legal. Porém, depois de ver The Big Bang Theory meu conceito sobre ver série sobre nerds mudou e resolvi dar uma chance.


Outra coisa que ajudou bastante foi o trailer que tinha no post do referido site. Ao som da empolgante “Bad Reputation” de Joan Jett, os protagonistas se revezavam numa sessão de fotos para o anuário do colégio. A série de atores, hoje bastante conhecidos como, por exemplo, James Franco (Homem Aranha, 2002) e Seth Rogen (Ligeiramente Grávidos, 2007), ainda em início de carreira, entrando e saindo de cena foi outro chamariz. Baixei na hora e a cada episódio assistido a ansiedade pelo próximo só aumentava.

Freaks and Geeks é uma série americana criada por Judd Apatow e Paul Feig produzida entre 1999 e 2000. Ela ambienta-se nos anos 80 e gira em torno de Lindsay Weir (Linda Cardellini) e seu irmão menor Sam Weir (John Francis Daley) mostrando os dramas e conflitos comuns a todos nós nessa fase estranha que é a adolescência.

Lindsay após a morte da avó entra num dilema pessoal. Continuar vivendo a sua vida certinha de aluna exemplar, boa filha, campeã dos campeonatos de matemática ou viver mais espontaneamente aproveitando melhor a vida. É por causa desse dilema que ela acaba se aproximando do grupo de “freaks” da escola composto por Daniel Desario (James Franco), Ken Miller (Seth Rogen), Nick Andopolis (Jason Segel) e Kim Kelly (Busy Philipps).


Já Sam e seus amigos, Bill Haverchuck (Martin Starr) e Neal Schweiber (Samm Levine) são o estereótipo dos nerds. Gostam de Star Wars, séries, quadrinhos, não levam jeito com garotas, mesmo Sam sendo alvo da simpatia da garota mais popular da sua série, e são alvos freqüentes dos encrenqueiros juvenis.

Infelizmente a série foi cancelada após somente 18 episódios por baixa audiência, o que é uma pena, já que a série apresenta uma qualidade acima de muitas outras que tiveram vida longa.

Mostrei a série pra minha namorada e ela adorou. Um tempinho depois ela comenta que tinha visto no IMDb que o Jason Segel, que na série faz o “par romântico” da Lindsay tava fazendo outra série que parecia legal, How I Met Your Mother. Prometi que ia baixar pra ela, mas fiquei me perguntando se uma série que fala como alguém conheceu a mãe dos filhos poderia ser legal. Mais do que isso, fiquei me perguntando como uma série com essa premissa podia já ter 4 temporadas. Mas promessa é dívida, então baixei. E não é que o negócio é bom.


How I Met Your Mother, como o próprio nome diz, conta a história de como Ted Mosby (Josh Radnor) conheceu a mulher com quem ele teve seus filhos. Porém, pro azar de seus filhos que tem que ouvir a história do pai ao invés de poder ir ver televisão ou fazer algo mais divertido, Ted é bastante prolixo, assim como quem vos escreve, e começou a contar a história desde o começo mesmo.

A série começa na época em que seu amigo Marshall Eriksen (Jason Segel), com quem ele divide o apartamento, resolve pedir a namorada, Lily Aldrin (Alyson Hannigan) em casamento. Vendo que está chegando aos 30 e que continua solteiro Ted, com a ajuda de Barney Stinson (Neil Patrick Harris), seu amigo mulherengo e sempre com uma teoria maluca ou com algum bordão, resolve partir em busca do verdadeiro amor. Ele acaba encontrando Robin (Cobie Smulders), que parece ser a pessoa certa, mas nem sempre o destino quer que as coisas sejam assim tão fáceis.

Ela é bastante divertida, e apesar de não ser direta tem um fluxo muito legal mostrando a rotina dos personagens e as aventuras amorosas de Ted sempre acompanhado dos bordões do sem noção Barney.