28 de ago de 2009

[Cinema] A Teoria Universal dos Filmes

Uma das coisas que eu e minha namorada mais gostamos de fazer quando estamos juntos é assistir filmes. Ela gosta mais dos clássicos, e das comédias românticas; já eu, gosto mais dos filmes de terror (quanto mais esquisito melhor) e das comédias clássicas da “Sessão da Tarde”, que não é mais apenas um bloco de filmes e sim um verdadeiro gênero.

Certa vez estávamos tentando descobrir o que ver, o que geralmente leva um certo tempo porque ambos somos indecisos nisso. Mas, dessa vez ela estava querendo ver um filme que, nas palavras dela: “Tem um cara, que conhece uma garota. Eles tem um monte de problemas, mas no final dá tudo certo”. Pensei um pouco e foi nesse ponto que surgiu a teoria universal dos filmes que desenvolvemos. Todos os filmes tem esse enredo, desde filmes de arte marciais, passando por comédias românticas até chegarmos aos filmes de terror. Todos se encaixam nesse perfil.

Estão duvidando? Me chamando de louco?! Pois bem, prestem atenção e vejam como de louca essa teoria não tem nada.

Vale lembrar que durante o texto serão dado alguns spoilers sobre o final deles, então se você ainda não viu algum desses filmes e não quer saber como eles terminam recomendo não prosseguir. Dado o aviso...

Uma Linda Mulher (1990)


Uma das comédias românticas mais clássicas e que catapultou Julia Roberts ao estrelato. Essa daqui é óbvia.
Tem um cara: Edward Lewis (Richard Gere)
Que conhece uma garota: Vivian Ward (Julia Roberts)
Eles tem um monte de problemas: Ele é um milionário e ela uma garota de programa o que torna o romance deles perante a sociedade não muito aceitável.
Mas no final dá tudo certo: Como quase toda comédia romântica eles superam seus problemas e acabam juntos.

Esse não teve nem graça. Comédias românticas são sempre iguais, só mudam o tema, o lugar e os personagens, de resto é igual.

Casablanca (1942)


Quem nunca ouviu falar de Casablanca? Um clássico! Pode até não ter visto, mas já ouviu falar, e se não viu está perdendo tempo, porque não é a toa que é considerado um dos melhores filmes já feito.

Tem um cara: Richard Blane (Humphrey Bogart);
Que conhece uma garota: llsa Lund Laszlo (Ingrid Bergman)
Eles tem um monte de problemas: Ele não podem ficar juntos porque ela está com outro e porque ela ta fugindo pra América correndo dos nazistas.
Mas no final dá tudo certo: Ela consegue fugir e ir pra América e ele continua vivo mesmo tendo ajudado dois procurados a fugir dos nazistas.

Pode não ter sido o final ideal pros dois, mas que deu tudo certo deu.

Sexta-Feira 13 (Qualquer um deles)


Pra terminar e provar que a teoria é universal e não aplicável só a dramas e comédias românticas nada melhor do que um terror cheio de sangue e mortes.

Tem um cara: Jason (no primeiro filme “o cara” seria a mãe dele, já que o Jason não aparece)
Que conhece uma garota: Qualquer uma das principais que é perseguida exaustivamente durante o filme todo e que no final acha que conseguiu matar ele, mas que no final das contas fez um serviço porco já que sempre tem uma continuação.
Eles tem um monte de problemas: Bem, o Jason tenta matar ela. Sem falar que ele mata todos os amigos dela.
Mas no final dá tudo certo: Ela sobrevive. Não sem um trauma pro resto da vida, mas sobrevive. E ele magicamente sempre volta no próximo filme, então deu tudo certo também.

Nenhum comentário:

Postar um comentário